Comecei esse post para falar apenas dos lugares que eu fui. Mas as dicas eram tantas e os lugares pareciam tão bons que resolvi aumentar um pouquinho a lista e recomendar para vocês alguns restaurante que eu não conheci mas que me foram muitíssimo bem indicados. Se vocês vão a Santiago e tem tempo de conhecer vários points gastronômicos, essa lista pode te ajudar. Prepare as reservas e aproveite!

Mestizo: Foi um dos restaurantes que eu mais gostei na cidade. Clima gostoso, ambiente lindo e agradável e uma vista super gracinha para o Parque Bicentenário. O preço não é dos mais baratos, mas também não é nenhum absurdo. A comida é super gostosa e sem dúvidas é um restaurante que vale a visita. Fui de dia para aproveitar mais a vista, mas a noite o local se transforma recebe um DJ e fica mais jovem e animadinho.

Aqui está Coco: Também gostei muito desse. É especializado em frutos do mar e conseguir uma mesa é uma missão quase impossível. Reserve com antecedência se puder para garantir seu lugar. A decoração dos 3 andares do restaurante é muito diferente, toda voltada para o mar. E a comida… nossa! Deliciosa. Pedi um dos poucos pratos com molho e amei! Assim como o Mestizo o preço é mediano. Nem caríssimo, nem de graça.

Boragó: Esse provavelmente será uma experiência diferente para você. O Boragó está na lista dos 50 melhores restaurantes da América Latina, mais especificamente em 8º lugar. Ou seja, além de ser mega disputado ele é beeeem caro. Assumo que nem tentei fazer reserva nele. Sou fresca para comer e seu esquema degustação não ia me agradar. Pulei fora, mas todo mundo que me deu indicações de restaurantes em Santiago disse que esse era imperdível. Se você quer provar uma das melhores comidas da América Latina, essa pode ser a sua chance.

Osaka: Um dos restaurantes japoneses mais famosos do Chile. Assim como os amigos acima é hiper disputado e a reserva tem que ser feita com antecedência. Como vocês já sabem não como japa, por isso, nem tentei ir. Mas 10 entre 10 pessoas falaram que o Osaka também é imperdível. Então, se você ama a culinária japonesa, faça sua reserva e garanta seu lugar no japa mais gostoso de

Majestic: Esse indiano é daqueles para comer rezando, sabem? Tipo, bem realista, bem indiano e bem condimentados, exatamente como deve ser. Se você gosta de comida indiana não deixe de ir conhecer o Majestic. Ambiente, decoração e comida super de acordo com a proposta. Muito dourado, muitos detalhes… Apesar de estar no caro Hotel Majestic, o restaurante tem preço bom e bem mais baixo do que todos citados acima.

Giratório: Eu fui para ver o pôr do sol por lá e achei a comida bem mais ou menos. Não pedi prato, só uma tábua de frios e ainda assim não me conquistou. Ou seja, se a tábua de frios não foi grandes coisas eu posso imaginar os pratos. Ah! Não esperem grandes coisas da vista também. Ela não é nada demais. O lugar vale para ver o pôr do sol e tomar uns drinks. Only!

Como Água para Chocolate: Outro restaurante hiper famoso na cidade, mas diferente dos acima, ele divide opiniões. Como ele se tornou um restaurante super turístico, algumas pessoas dizem que ele perdeu sua essência e que a comida já não é tão boa. Outros amam e defendem com unhas e dentes. Eu não fui e não posso dar a minha opinião, mas se você já foi, deixa ai nos comentários que eu quero saber o que vocês acharam.

Tanta e Astrid y Gastón: São dois restaurantes peruanos super famosos em Lima e Cuzco. O primeiro faz a linha mais basicão e baratinho. Já o segundo é super renomado com direito a estrelas no Guia Michelin e muito mais. Se você curte esse tipo de culinária, então, não perca a chance de experimentar esses restaurantes.

Doña Paula: Esse é o restaurante da vinícola Santa Rita. Ele foi muitíssimo indicado, mas infelizmente no dia que eu fui ele estava fechado para um evento. Ainda assim vou repassar a dica, porque apesar de fechado eu tive a oportunidade de conhecê-lo e dar uma olhadinha no cardápio. Gente, vai! hahahahha A coisa parece ser boa mesmo! Fiquei com água na boca. Pelos preços que vi ele é do tipo médio/caro. Escolha um bom vinho da adega e aproveite esse almoço delicioso.

Gostaram dessas dicas? Se forem a algum desses restaurante ou tiverem outras dicas deixem aqui nos comentários. Novas sugestões são sempre bem-vindas.

comissão booking hotel minicomissão real seguro minicomissão rentcars carro mini

coisas que amamos diario de viagem deserto do atacama chile 11Esse vídeo é duplamente especial: é o primeiro vídeo oficial de viagem aqui do blog e foi editado com todo carinho e cuidado pelo mais novo parceiro do blog, Juan Souza. Aplausos! Nós preparamos esse vídeo para vocês e acho que vocês vão amar tanto quanto eu estou amando.

Aqui mostramos um pouquinho da nossa viagem, dos lugares que visitamos, do que fizemos, dos nossos passeios… Espero que vocês gostem e se animem para conhecer esse lugar tão incrível que é o Deserto do Atacama.

Edição: Juan Souza (juanesouza@hotmail.com)

E ai? O que acharam? Gostaram? Eu amei! Não quero parar de assistir. heheheheh Sei que sou suspeita, mas acho que ficou super legal mesmo. Uma salva de palmas para o Juan que fez toda essa edição incrível e para meu maridinho, ator coadjuvante do vídeo! =)

Se vocês gostaram não esqueçam de curtir e, claro, de se inscrever no canal. Quem tá inscrito, assiste sempre primeiro e tem acesso a conteúdo exclusivo.

comissão booking hotel minicomissão real seguro minicomissão rentcars carro mini

coisas que amamos diário de viagem chile santiago vinicola concha y toro santa rita 5Essa minha viagem para o Atacama me permitiu passar um diazinho em Santiago. Assumo, que desde o primeiro momento, fazer turismo em Santiago não era minha primeira opção. Então, me organizei para conhecer algumas vinícolas nesse dia e fazer enoturismo que eu amo. Pesquisei bastante, agendei minhas visitas e acabei escolhendo visitar a Concha y Toro e a Santa Rita.

A primeira dica que eu posso dar para vocês é: contratem um motorista. Foi a melhor coisa que fizemos. Pedimos indicação no hotel e eles organizaram um motorista para ficar a nossa disposição o dia inteiro. Sim, essa opção é um pouco mais cara que as outras, mas realmente nada que seja tão mais caro assim (fica uns R$100 mais caro que o ônibus de turismo). Você pode ir de taxi e ficar a disposição da possibilidade de ter ou não taxis disponíveis para te levar de uma pra outra e pra te buscar depois.  Você pode ir de ônibus de turismo, e ai vai visitar as vinícolas que eles tem parceria, e não as que você quer. Ou ainda, pode alugar um carro. Mas honestamente, acho a pior opção. O custo x benefício é quase idêntico a de contratar um motorista.

Concha y Toro

coisas que amamos diário de viagem chile santiago vinicola concha y toro santa rita 1Começo dizendo que eu adorei a visita. Apesar de ter lido MUITA gente falando mal, falando que só tem brasileiro, que é turístico demais… eu adorei mesmo assim. Tudo isso tá certo, mas nem por isso a visita é ruim. O vinho é gostoso, o lugar é lindo e a visita é “super Disney”, coisa que eu adoro. Então, eu digo, valeu muito a pena. Recomendo demais.

Se vocês preferirem, o local é tão visitado por brasileiros que existem tours em português. O esquema é bem tranquilo, mas você precisa agendar antes. Ligue ou peça para o concierge do hotel ligar e reservar sua visita.

coisas que amamos diário de viagem chile santiago vinicola concha y toro santa rita 3Se você quiser almoçar, é possível fazer isso ai. O restaurante não é o mais famoso da região, mas é super bonitinho e um ótimo quebra-galho na hora da fome. Se você quiser um tour harmonizado, também dá pra fazer. Basta ligar e agendar com antecedência.

Na minha opinião, a parte mais legal foi conhecer a história e as lendas da marca “Casilero del Diablo”. Um vinho que nem é tão bom assim, mas que ficou muito famoso por suas histórias, que eu não vou contar aqui pra não fazer spoiler e não perder a graça. Mas já adianto que essa é a parte “Disney” do tour. hahahahaahcoisas que amamos diário de viagem chile santiago vinicola concha y toro santa rita 4Além das três degustações, você leva a taça de presente para casa. Uma recordação bacana da vinícola. Ah! Se tiver a oportunidade, passe na lojinha. Ela tem coisas super legais para casa e valem a compra. Veja como chegar na Concha y Toro aqui.

Santa Rita

coisas que amamos diário de viagem chile santiago vinicola concha y toro santa rita 8Essa foi a outra vinícola que visitei. Muito legal também. Aqui a coisa é mais real sabe? Você realmente vê todo o processo, o lugar onde o vinho é feito, onde é embalado, empacotado… de verdade mesmo. Pra mim essa é a grande diferença entre as duas vinícolas. Sem falar, que a Santa Rita é também enorme e lindíssima.

A Santa Rita, diferente, da Concha y Toro oferece muito mais opções de tours para os visitantes. Fiz o tour tradicional, mas assumo que os que me chamaram mais atenção foram os de bicicleta. Tem o Bike and Wine, em que você passeia por várias vinas e vai degustando alguns vinhos. Tem também o pedal bar, em que você senta com mais 9 pessoas em um bar com pedais e vai bebendo e pedalando… conhecendo a vinícola. Muito bacana! Queria muito ter feito esse, mas não consegui me encaixar no horário que tinha disponível.

coisas que amamos diário de viagem chile santiago vinicola concha y toro santa rita 6 coisas que amamos diário de viagem chile santiago vinicola concha y toro santa rita 7A grande dica aqui é: se você pretende almoçar por essa região, faça reserva no restaurante da Santa Rita. Dizem ser um dos melhores da região. Faça isso com antecedência porque ele fica lotado. Agende umas 2h antes ou depois do seu tour. Veja como chegar na Santa Rita aqui.

Dicas:

– Analise o preço dos vinhos no Brasil antes de ir para lá. Pra mim acabou não valendo a pena pois a diferença de comprar lá e aqui não passava de R$5. Por isso, é sempre bom saber os preços e ver se vale a pena comprar lá.

coisas que amamos diário de viagem chile santiago vinicola concha y toro santa rita 2– Veja o limite de bagagem para não ultrapassar o permitido. Saiba que se for necessário, você pode despachar uma caixa de vinhos como uma mala extra.

– Os preços da lojinha da Concha y Toro estavam melhores que os da Santa Rita. Acho que quanto maior a vinícola, menores os preços. Não sei se isso é bem assim, mas foi o que eu percebi.

– Reserve e agende tudo com antecedência para garantir que você vai conseguir as coisas que você realmente quer.

comissão booking hotel minicomissão real seguro minicomissão rentcars carro mini

diario de viagem deserto do atacama chile essenciais para pele 2Se tem uma coisa que salvou a minha vida nessa viagem para o Atacama foi a minha necessaire super específica para essa viagem. Li em alguns blogs coisas que eu poderia/deveria levar para me ajudar a lidar com a secura e frio/calor do deserto e acabei montando um kit com meus itens essenciais. Juro que não tem nenhum item dessa lista que eu tiraria ou trocaria e, sem dúvida, foram esses itens que me ajudaram a aguentar (principalmente) a secura da região.

  • Lencinho: Ótimo para assoar o nariz e para usar nos passeios em que os banheiro são precários ou que não tem banheiro.
  • Água Termal: Usava toda hora. Dava um refresh na pele. Ótimo para aliviar a sensação de secura da pele.
  • Protetor de Rosto: Protetor super power para o rosto. Ótimo pra ser reaplicado pois seca muito rápido e não deixa a pele melequenta.
  • Soro fisiológico: Meu melhor amigo. Ótimo quando o nariz fica ressecado. Usei MUITO!
  • Álcool gel: Como falei comemos nos passeios depois de andar, colocar as mãos nas coisas e tal… é válido carregar um “alquinho”.
  • Protetor para o Corpo: Não adianta tentar, proteção menor que 50FPS não funciona por lá. Comprei esse numa farmácia lá e adorei.
  • Colírio: Ótimo para aliviar a poeira e a secura do deserto e para ajudar a lavar os olhos no mergulho da Laguna Cejar.
  • Cicaplast e Ceralip: Cuidados constantes com a boca para não secar e não rachar.
  • Creme para as mãos: Para deixar a mão hidratada e na emergência para passar no entorno da boca e no nariz pra não queimar com o frio.
  • Remédio de dor de cabeça: Levei Neosaldina porque funciona comigo, mas serve qualquer um. É ótimo para amenizar a dor de cabeça que a altitude pode causar.

Ufa! Parece exagero, mas realmente fez muita diferença pra mim ter essas coisas na minha mochila, ao alcance das minhas mãos em toda hora que achei necessário. E acreditem, usei MUITO mais do que eu mesma imaginava. Pra mim valeu! =)