24
out 2018

O Zoológico do Rio

Esse final de semana aproveitei o domingo meio nublado para fazer um programa que estava nos meus planos desde que a Vic nasceu: conhecer o zoológico do Rio. Antes de mais nada, não sou uma pessoa a favor do conceito de zoológico, mas já visitei alguns mundo afora e sei que nem sempre os animais são maltratados, que muitas vezes não tem condições de sobreviver sem aquele auxilio…

Pois bem, eu já sabia que uma parte do zoo estava fechada para uma grande reforma que eles estão fazendo. A ideia é mudar completamente tudo que já existe lá e transformar o espaço é uma área de entretenimento moderna, atualizada e muito mais agradável tanto para os visitantes quanto para os animais.

Nem vi a reforma mas já estou amando a ideia por que realmente está precisando a minha primeira impressão é de que o lugar está completamente decadente e abandonado. Jaulas enferrujadas, paredes mofadas, espaços pequenos demais para os bichos… sem falar na aparência dos animais. Todos parecem cansados e doentes, e os que não estão prostrados, parecem estar estressados demais.

Acho que já deu pra perceber um pouco do que eu achei do lugar né? Mas vamos as coisas boas. A parte que está aberta ao público tem a grande parte dos animais que as crianças vão gostar de ver: elefantes, tigre, leão, macacos, pássaros, hipopótamos entre alguns outros. Ficam de fora nesse momento as cobras, jacarés, chimpanzés e fazendinha.

O valor da entrada é bem razoável, R$20 por adulto e crianças menores de 2 anos não pagam. Idosos e estudantes pagam meia mediante comprovação. O local tem estacionamento pago (R$20) e fica bem em frente a um restaurante super tradicional na região que pode ser o seu combo do passeio.

Me perguntaram se achei que valeu a pena? Pessoalmente não gostei. Esperava bem mais. Achei decadente, achei sujo e obviamente não estou nem considerando o fato de estar em obras para tudo isso. Estou falando da parte que vi aberta. Por R$20 a Vic até gostou, mas não acho que foi uma experiência legal.

Estou ansiosa para ver o RioZoo pós obra. Pelo projeto que eu vi o local vai praticamente virar aquele parque do Jurassic Park. Fiquei realmente animada e acho que é isso que o Rio precisa se quer ter um zoológico para chamar de seu. Nessa matéria aqui você pode ter uma ideia do que vem por ai. Do contrário, vamos entregar os animais aos seus locais de origem ou a novos cuidadores e vamos admitir que não temos condições de ter um zoo na cidade.

Espero escrever um novo post sobre o zoo, em um futuro próximo, com as minhas impressões. Se essa obra se concretizar como planejada, tenho certeza que serão ótimas impressões. Agora, só volto lá quando inaugurar. Até lá, recomendo que você não visite o zoo, não é imperdível, muito pelo contrário. Guarda esses R$20 porque certamente quando o novo zoo inaugurar você vai precisar de algumas notas dessas para entrar.

RioZoo
Quinta da Boavista
Horário de funcionamento irregular devido as obras
(21) 4063-3003

Visitamos o Zoológico em Outubro de 2018.

Desde que a Victoria nasceu, faço o esforço de ensinar a ela a importância dos livros. Sempre que posso compro livros novos pra ela, paramos na livraria para ela olhar as coisas, tocar, sentir novas opções e desde sempre faço questão de estimular esse contato.

Não tenho dúvidas de que está funcionando. Se tem uma coisa que ela curte nessa vida são os livros. De qualquer cor, tamanho, estilo, modelo… ela abre, fecha, passa a mãozinha… adora de verdade! Pensando nisso, fiz uma pequena seleção de alguns modelos que acho que ela gosta e de outros que acho que pode vir a gostar no futuro ou que podem ser importantes de alguma forma para ela.Acho que aqui consegui reunir uma variedade legal de títulos e dar alguma ideia para as mamães que querem estimular seus bebês mas ainda não sabem como.

Os livrinhos de banho, por exemplo, aqui em casa nunca entraram na banheira. Como Vic está (há algum tempo) na fase de colocar tudo na boca, deixo os livrinhos de banho no dia a dia dela. Assim ela pode pegar, morder, apertar… e estar sempre em contato com eles.

Os livros de papel, deixamos para ler na hora da rotininha de dormir. Sim, desde que ela nasceu ela tem uma rotina na hora de dormir e ler um livrinho faz parte desse procedimento. Então, pegamos um livro lemos, guardamos e vamos para a cama. E assim se passaram 9 meses entre erros e acertos, mas acima de tudo muitas tentativas e estímulos.

Espero que vocês tenham curtido esse post, e claro, compartilhem com as amigas, amigos, mamães e papais que podem gostar de ler sobre o assunto também! =)

cc-cqa-02As férias escolares chegaram para serem registradas. Que comece a brincadeira com os pequenos! As crianças são espontâneas, criativas, sinceras e possuem uma dinâmica própria muito especial. Fotografar uma criança não é tarefa das mais fáceis, mas a diversão é garantida!

Cada criança tem o seu ritmo, o seu momento, mas o ideal é tentar criar uma atmosfera onde ela se sinta confortável, chamando sua atenção com uma brincadeira ou um jogo. Também é importante ter paciência e muito jogo de cintura.

cc-cqa-07 (1)

cc-cqa-01 (1)Comece fotografando na mesma altura da criança. Se abaixe ou se ajoelhe e estejam no mesmo nível, assim relação entre vocês é outra. Em alguns momentos procure manter uma certa distância e deixe a criança livre para explorar o espaço do seu melhor jeitinho.

Abuse dos enquadramentos e não economize em cliques. Verifique se a sua câmera tem o modo de disparo contínuo, para fotografias ainda mais espontâneas. Para fotos criativas, procure ângulos exagerados, fotografando a criança bem de cima ou bem debaixo. Suba em um banquinho, por exemplo, ou deite no chão, afinal, a brincadeira já começou!

cc-cqa-05 (1)

Esteja sempre sorridente mas nunca force a barra. Se uma criança não gostar de algum tipo de brincadeira que você sugeriu, seja criativo e rápido e chame a sua atenção com alguma outra ideia divertida, assim fica mais fácil de criar uma amizade. Fotografe com amor, porque dizem que as crianças sentem a sinceridade da gente, e eu acredito nisso! 😉

Camilla Cheade
www.camillacheade.com