Há pouco mais de 2 meses inaugurou no Jardim Botânico o Didier. O restaurante, do chef Didier Labbé, que trabalhou no grupo Troigos por 10 anos, ocupa hoje o espaço que antes era do CT Trattorie.

A ideia do restaurante é trazer um bistrô tipicamente te francês, com um mix de comida simples com toque autoral e muitos alimentos frescos, a preços acessíveis.

Acho que ele conseguiu quase tudo que planejou. Os preços acessíveis são meio discutíveis, mas tudo bem. Assunto que vamos conversar mais pra frente.

Começamos com um couvert e duas entradas sugeridas pelo garçon: polenta mole com palmito trufado e ovo pochê com aspargos e crocante de Parma. A polenta estava deliciosa. O ovo era ok.

De principal pedimos quatro pratos diferentes. Um penne com ragu, cogumelos e bacon que estava surreal de gostoso. Um risoto de queijo minas com palmito pupunha e crocante de couve, bem gostoso. Um risoto de camarão, também gostoso. E um filé de costela, com batatas assadas e cogumelos cardoncelos, que também estava muuuuuito bom.

Para sobremesa pedimos um creme brule, especialidade da casa. Delicioso! Só senti falta de experimentar o profiteroles, a minha sobremesa preferida da vida. Mas eu volto lá pra isso!

No geral achamos tudo bem gostoso, mas longe de ter um preço acessível. Tem preço padrão de um restaurante de alto nível no Rio de Janeiro. Esse jantar com água e vinho saiu a mais ou menos R$600 para 4 pessoas. Não é caro, mas na minha opinião não é acessível também.

Ainda assim acho que vale muito a visita. O toque (fofo) final foi a visita do próprio chef na nossa mesa perguntando se estava tudo bem, se estávamos gostando da comida… esse toque pessoal faz toda a diferença é é de uma gentileza enorme. Curti!

Didier

Rua Alexandre Ferreira, 66 – Jardim Botânico

(21) 3264-7960 – aceita reserva.

24
maio 2018

Yummy Tip: INO

Semana passada fui conhecer mais um restaurante novo que abriu no Rio, o INO. O italiano fica no reduto gastronômico de Botafogo, a rua Conde de Irajá e é vizinho de grandes nomes como Lasai e Irajá Gastrô. Logico, que o INO não poderia ficar para trás e oferece aos seus clientes um delicioso cardápio com entradas, massas frescas, assados e claro, sobremesas.

Você chega no restaurante e já se encanta com o ambiente. Uma casinha, em Botafogo, com um clima super agradável, decoração simples e minimalista. Já começa a refeição com o pé direito. O atendimento também é excelente. O garçom foi super gentil, nos explicou vários pratos, ofereceu vinho, nos “deixou” experimentar algumas opções antes de decidir qual seria a vencedora e foi super ágil no atendimento.

Nós começamos o jantar pelo carpaccio crocante, e já adianto que é uma armadilha. Você pede um, mas quando ele acaba você vai querer pedir outros dez de tão maravilhoso que é. São pequenos carpaccios temperados com mostarda, azeite trufado e grana padano, envoltos em um cone salgado. Serio, surreal de delicioso!

Para o prato principal eu pedi o polpetone com taglioline na manteiga de salvia e o Alexandre foi na massa com camarões. As opções que mais saem  no restaurante, segundo o garçom que nos atendeu. Achei o meu delicioso, é exatamente o tipo de prato que eu gosto de pedir. O Alexandre gostou muito do dele também.

Encerramos o jantar com a sobremesa mais pedida do cardápio, o 3x cioccolato, que nada mais é do que chocolate de três formas diferente: como um bolinho super úmido, uma farofinha crocante e sorvete. Uma deliciosa forma de encerrar o jantar no Ino.

Acho que deu pra perceber que tivemos uma experiência super gostosa por lá né? Sem dúvidas o Ino entrou pra nossa lista de restaurantes deliciosos no Rio que valem ser repetidos.

Serviço:
INO Restaurante
Rua Conde de Irajá, 115 – Botafogo
Tel: 3851-6601
reservas@inorio.com.br
http://www.inorio.com.br

14
maio 2018

Yummy Tip: Mauá

Outro dia contei lá no instagram sobre um passeio que fiz ao Centro do Rio. Visitamos o MAR, o Museu do Amanhã, a região revitalizada do porto e foi super interessante. Victoria adorou e nós também.

Já que o programa era de dia inteiro optamos por almoçar no Mauá, o restaurante brasileiríssimo que fica no terraço do Museu de Arte do Rio (MAR). Não podíamos ter escolhido melhor. Além da vista deliciosa o restaurante nos agraciou com um almoço dos deuses.

Optamos por sentar em uma mesa na área externa com vista para o Museu do Amanhã, mas o espaço oferece uma área fechada com vidro e ar condicionado. Ótima opção para os dias mais quentes.

Começamos com um pastelzinho de queijo da canastra com cebola caramelizada. Estava gostoso, mas eles tem entradas melhores. Não foi a melhor pedida. Para o prato principal pedimos uma moqueca com arroz e banana que estava divina e o prato mais famoso da casa, o mignon de sol com banana e farofa, que foi de comer rezando. Pessoalmente eu gostei mais da carne, mas os dois pratos estavam excelentes.

Para encerrar a orgia gastronômica pedimos uma goiabada com sorvete de queijo de cair o queixo. Tão gostosa que podia ter comido duas vezes.

Como contei, estávamos com a Victoria (9 meses). Foi super tranquilo ir com ela. Sentamos em uma mesa para 4 pessoas e tiramos uma das cadeiras para acomodar o carrinho. Funcionou super bem. O local não tem banheiro com trocador, mas o museu tem e você pode usar.

No geral achei o restaurante excelente. Recomendo muito a visita para quem está pela região e quer comer bem e com uma vista linda da cidade. Os pratos não são muito baratos, mas ainda assim vale a pena. Acho que o custo x benefício do programa como um todo valeu muito.

Serviço:
Restaurante Mauá
Praça Mauá, 5º, 6º piso (Museu de Arte do Rio) – Centro
Tel .: (21) 3031-2819
Horário de Funcionamento: de segunda a domingo das 12h às 18h
www.restaurantemaua.com.br

Parque das Ruínas Rio de Janeiro De uns tempos para cá tenho procurado conhecer um pouco mais alguns cantinhos do Rio que antes eram um pouco “distantes” pra mim. Pontos turísticos talvez não tão turísticos assim, lugares bonitos mas distantes ou apenas algum lugar interessante que eu não conhecia ou não ia a muito tempo.

Com a chegada da Victoria, fazer esses programas ficou ainda mais interessante. E agora, consigo enxergar esses lugares com um olhar de mãe, diferente de antes. É legal analisar se o lugar é receptivo com crianças e bebês, se oferece algum tipo de risco…

Parque das Ruínas Rio de Janeiro Parque das Ruínas Rio de Janeiro O Parque das Ruínas foi um desses lugares. Morando aqui há 33 anos eu NUNCA tinha ido lá, acreditam?! Sempre vi fotos, já ouvi falar mas nunca tinha ido. Shame on me. Mas agora, isso acabou, esse feriado aproveitei para conhecer o Parque e combinar a minha visita com um almoço delicioso por Santa Teresa.

O Parque das Ruínas, como o próprio nome diz, nada mais é do que uma ruína de um antigo palacete onde Laurinda Santos Lobo (uma das maiores mecenas das artes do Rio de Janeiro) morou. O local foi ponto de encontro do modernismo brasileiro e cenário de inúmeros saraus promovidos por Laurinda e frequentados por artistas nacionais e internacionais como Villa Lobos, Tarsila do Amaral, João do Rio e Isadora Duncan.

Parque das Ruínas Rio de Janeiro Hoje, abriga um centro cultural com exposições, concertos, palestras e oficinas variadas. Além, é claro, das fotogênicas ruínas. Por lá, você também encontra uma pequena lanchonete que serve alguns petiscos, café da manhã e bebidinhas. Uma opção simples e legal de variar o lugar do café de todo dia.

Com relação as ruínas… como pode-se imaginar não é um lugar muito feito para crianças. É cheio de escadas, vidro, é alto e não tem muita segurança. Mas Vic ainda é bebe (9 meses) e vai no colo numa boa, então foi tranquilo ir com ela. A dica é: não levem carrinho, o canguru é a melhor opção. Se vocês quiserem passar um tempo por lá, curtir a vista, vocês conseguem ir com o carrinho, mas nas ruínas é complicado.

Parque das Ruínas Rio de Janeiro Parque das Ruínas Rio de Janeiro O passeio é legal e a vista é lindíssima. Você consegue ter uma visão super bonita do Pão de Açúcar, Baía de Guanabara, Marina da Gloria, Ponte Rio-Niterói e do centro do Rio.

Recebi muitas perguntas com relação a segurança do local. Bom, Santa Teresa tem altos e baixos, assim como qualquer lugar do Rio. Então, minha sugestão é: avalie na época da sua visita como estão as coisas por lá, vá de dia, num horário de bastante movimento e siga as placas para não se perder. Nos fomos seguindo o waze e deu tudo certo.

Parque das Ruínas Rio de Janeiro O local não tem estacionamento, mas é permitido estacionar na rua de baixo, que é bem pertinho da entrada do parque. Na rua em frente não é permitido estacionar.

DICA EXTRA: Combine esse programa com um almoço na Aprazível ou no Bar do Mineiro, ambos em Santa Teresa. Tenho certeza de que você não vai se arrepender.

Parque das Ruínas
Rua Murtinho Nobre, 169 – Santa Teresa
Telefone: (21) 2215-0621 2224-3922
Funcionamento: Aberto de terça-feira a domingo, das 8h às 18h.