CqA TV, Destinos, Dublin, Edimburgo, Escócia, Irlanda

CqA TV: Escócia e Irlanda

06 set 2017

Depois de mostrar um pouquinho como foi a nossa rota pelo interior da Inglaterra, nada mais natural do que mostrar para vocês nossos dias na Escócia e na Irlanda. Como contei por aqui, na Escócia passamos por Edimburgo, Highlands, Inverness e Skye. E na Irlanda, visitamos Dublin.

Então, o video de hoje vai mostrar um pouquinho desse passeio para vocês, do que fizemos, vimos e claro, das muitas paisagens lindas que nos deixaram boquiabertos. Vamos lá?

E ai? Gostaram? Ficaram com água na boca morrendo de vontade de conhecer a Escócia e a Irlanda também? Assumo que gostei tanto que já quero voltar para conhecer mais do interior da Escócia, sabiam? Foi um lugar que eu amei e me deixou realmente encantada.

Acho que agora vamos ficar algum tempinho sem os videos de viagem, mas é por uma boa causa. Victoria chegou e por isso as viagens cessaram momentaneamente. Em compensação, tenho um pouco mais de tempo em casa, o que me permite gravar outros tipos de videos e gerar novo material para vocês. Por isso, fiquem ligados por aqui pois os posts vão continuar! =)

E claro, não esqueçam de se inscrever no canal e de curtir os videos. Quem tá inscrito assiste sempre primeiro e tem acesso a conteúdo exclusivo. Se quiser receber as notificações sempre que tiver video novo, não deixe de clicar no sininho!

Bath, Destinos, Dublin, Edimburgo, Escócia, Inglaterra, Inverness, Irlanda, Londres, Stonehenge, Winchester, York

Roteiro de viagem pelo Reino Unido + Irlanda

23 ago 2017

Quando comecei a montar minha viagem pelo Reino Unido eu tinha algumas especificidades que fazia questão de seguir e alguns lugares que não queria abrir mão de visitar. Então, pra começar a programa a viagem basicamente eu tive que “marcar no mapa” os lugares que eu queria ir e tentar traçar uma rota.

Baseei meu roteiro na viagem que um casal de amigos tinha feito alguns meses antes (Thanks Gus e Dani!) e fui adequando os locais, atrações e restrições que eu queria e tinha. Como estava grávida de 19 semanas, tive que maneirar na quantidade de paradas e na velocidade da viagem. Mas honestamente, acho que isso não interferiu em quase nada no roteiro.

Viajamos em fevereiro e era inverno, por isso, tivemos que adequar nosso roteiro as condições climáticas também. Por sorte pegamos dias maravilhosos, de céu azul, muito sol e temperaturas super toleráveis (considerando a estação do ano!)

Incluímos Londres pois conhecíamos pouco a cidade, e aproveitamos para colocar algumas cidades do interior da Inglaterra, além da Escócia e da Irlanda (que foi apenas Dublin, pela falta de tempo). No final o meu roteiro ficou assim:

Dia 1: Londres (Hotel: The Z Hotel Gloucester Place)
Dia 2: Londres
Dia 3: Londres
Dia 4: Londres – Winchester (Hotel: Mercure Winchester Essex Hotel)
Dia 5: Winchester – Stonehenge – Bath
Dia 6: Bath (Hotel: Hilton Bath City)
Dia 7: Bath – York
Dia 8: York (Hotel: Indigo Hotel)
Dia 9: York – Edimburgo
Dia 10: Edimburgo (Hotel: The Scotsman)
Dia 11: Edimburgo – Inverness
Dia 12: Inverness (Hotel: The Bunchrew House)
Dia 13: Inverness – Skye – Glasgow
Dia 14: Glasgow – Dublin
Dia 15: Dublin (Hotel: Temple Bar Hotel)
Dia 16: Dublin – Rio

O que levar em consideração na hora de montar o seu roteiro:

Acho que você tem que pensar em algumas coisas na hora que está preparando a sua viagem pelo Reino Unido.

  • Que tipo de viajante você é? Topa pular de cidade em cidade, prefere ficar muito ou pouco tempo em cada lugar? Gosta de viajar de carro ou prefere trem/avião?
  • Vai viajar no inverno? Topa pegar muito frio? Vai no verão? Faz questão de praia?
  • Tem alguma cidade especifica que queira visitar? Pesquisou alguma coisa sobre a região que pretende conhecer? Topa fazer um “roteiro copiado” de outra pessoa? Prefere montar o seu exatamente como você quer?

Se você pensa em tudo isso, as chances da sua viagem ser um sucesso são enormes. Você monta de acordo com o seu estilo de ser, com os seus gostos, com o seu budget…

Como contei nesse post aqui, fizemos a viagem toda de carro e foi bem tranquilo. Só pegamos o avião para ir de Glasgow para Dublin. Apesar de todo o percurso ter sido feito na mão inglesa, as estradas são bem sinalizadas, o GPS funciona super bem e com calma e tranquilidade você aprende a dirigir na “mão errada” numa boa.

Abaixo coloquei os links para os posts completos de todas as cidades que eu visitei, assim vocês podem ter uma noção melhor do que ver em cada local, como chegar, highlights…Pessoalmente achei esse roteiro bem completo. Pra ficar perfeito, só acrescentaria um ou dois dias extras para visitar Skye na Escócia, um lugar que passamos rápido e nos deixou encantados.

Post completo sobre Winchester, clique aqui.
Post completo sobre Bath, clique aqui.
Post completo sobre York, clique aqui.
Post completo sobre Stonehenge, clique aqui.
Post completo sobre Edimburgo, clique aqui.
Post completo sobre Inverness, clique aqui.
Post completo sobre Dublin, clique aqui.
Post completo sobre viajar de carro no Reino Unido, clique aqui.
Video sobre a viagem pelo interior da Inglaterra, clique aqui.

Ah! Lembrem-se que para entrar na Europa é obrigatório ter um seguro viagem no valor minimo de 30 mil euros. Recomendo o comparador de preços e seguros da Real. É onde eu sempre faço e nunca tive problemas.

Se tiverem dúvidas ou quiserem mais informações é só perguntar aqui nos comentários que eu respondo tudo!

comissão booking hotel minicomissão real seguro minicomissão rentcars carro mini

 

 

 

Destinos, Escócia, Inverness

Highlands, Inverness e Lago Ness | Escócia

15 maio 2017

Continuando os posts sobre a minha viagem pelo Reino Unido hoje vou contar para vocês como foi o meu passeio pelas Highlands e Inverness, que ficam no norte da Escócia. A ideia aqui é ajudar quem está pensando em fazer o mesmo roteiro ou um roteiro bem similar, por isso, vou tentar detalhar tudo ao máximo para que vocês não fiquem com dúvidas.

Highlands e Inverness

As Terras Altas, em inglês Highlands, são a zona montanhosa do norte da Escócia. A língua gaélica escocesa é atualmente falada apenas em algumas regiões das Terras Altas. Seu centro administrativo e capital é a cidade de Inverness. Politicamente, as Terras Altas caracterizavam-se até o século XVIII por um sistema feudal de famílias – os famosos clãs escoceses.

Antes do século XIX, havia grande concentração de habitantes; porém, a Revolução Industrial e outros eventos sócio-econômicos resultaram na migração dos habitantes dessa região para áreas urbanas. Atualmente, as Terras Altas têm grande escassez de habitantes.

O catolicismo permaneceu influente nessa zona ao longo da História da Escócia, que se notaram nos Levantes Jacobitas. Nas Terras Baixas, por outro lado, predomina o protestantismo. Fonte: Wikipedia.

Como chegar

A melhor forma de conhecer as Terras Altas e Inverness, na minha opinião é de carro. Foi exatamente assim que eu fiz e acho que foi perfeito. Você vai parando a cada paisagem linda que vê na estrada, faz as coisas no seu tempo e pode ir descobrindo lugares novos ao longo do caminho.

Saímos de Edimburgo de carro e seguimos em direção a Inverness com algumas paradas no caminho. Fizemos as seguintes paradas na ida: Castelo de Stirling, Lagos (paramos em vários no caminho), Falls of Dochart, Ben Nevis, Spinbridge (cidade para fotografar a montanha), Bridge of Oich (fraquinha!), Fort Williams, Castelo de Urquhart, Loch Ness e Inverness.

A nossa ideia foi conhecer, na ida, o lado direito do Trossachs National Park e, na volta, o lado esquerdo, fazendo um desvio por Skye e conhecendo o famoso Loch Lomond. Como voltamos até Glasgow, o roteiro fechou exatamente como queríamos.

Na volta as nossas paradas foram: Skye (paramos em muitos lugares para tirar foto, que lugar incrível), Eilean Donan Castle, Loch Lomond e Glasgow, nosso destino final.

As estradas na Escócia são ótimas e super bem sinalizadas. Como contei, alugamos um carro na RentCars com GPS e fomos dirigindo. Bem tranquilo. Quem quiser saber mais sobre como é dirigir na Inglaterra (na mão inglesa), clique aqui.

Se você não quiser dirigir existem várias opções de tour de um, dois ou mais dias que saem de Edimburgo e vão até Inverness parando por alguns desses pontos. Você encontra para vender na cidade com bastante facilidade ou, se preferir, pode agendar com antecedência para garantir seu lugar. Como fiz de carro, não tenho nenhuma indicação específica de agência que venda, mas mande um email para o seu hotel e peça ajuda a eles. Certamente eles saberão te indicar um bom local para você comprar/organizar seu tour até Inverness e Highlands.

Onde ficar?

A nossa ideia não era apenas fazer um bate e volta. Queríamos conhecer bem a região, passear por lá, entrar e sair dos castelos, ver o Lago Ness com calma e curtir aquele momento. Então, optamos por dormir duas noites em Inverness e acho que foi uma decisão super acertada para o nosso roteiro.

Ficamos no Bunchrew House, um hotel “castelinho” na beira do Lago Ness. Super romântico e delicinha. Gostei muito. O hotel não é novo, não é super moderno e não fica no centro de Inverness, mas foi perfeito para a ocasião. Pra quem está de carro, ele fica a apenas 10min do centro e como lá tem um restaurante maravilhoso, nem precisamos sair para jantar. Ficamos por lá as duas noites e foi ótimo.

Quem preferir ficar no centro de Inverness, na cidade mesmo, pode dar uma olhada no Mercure e no Best Western, que são de rede internacional e ficam super bem localizados, pertinho do Rio, do Castelo de Inverness, das lojinhas e restaurantes.

O que fazer

Como eu falei ali encima, no caminho de Edimburgo até Inverness você vai passando e parando por diversos pontos de interesse. Citei alguns deles aqui em cima e vou detalhar alguns outros por aqui para que vocês tenham uma noção bem ampla de quanta coisa linda vão ver por lá…

Exemplo da placa marrom com símbolo azul que mostra os pontos de interesse do caminho!

Uma dica legal é ficar atento a essas placas marrons com simbolo azulzinho. Elas mostram os pontos turísticos da região, do caminho pelo qual vocês estão passando e claro, indicam o caminho exato para chegar nos lugares. Foi assim que descobrimos algumas das nossas paradas. Valeu a pena!

  • Lagos: No caminho até Inverness encontramos vários lagos e paramos em vários deles. Não tenho o nome de todos, mas sigam as placas e se acharem que vale uma paradinha rápida, não pensem duas vezes.Sem dúvidas o Lago Ness foi o mais importante e marcante deles, mas não menospreze os outros por causa disso. Você pode encontrar lindas paisagens e tirar fotos incríveis. O Loch Lomond é o maior do país, demos uma paradinha nele na volta também.

  • Stirling Castle: O castelo que fica a poucos minutos de Edimburgo é uma gracinha e pode ser visitado não só por quem está fazendo esse caminho mas também por quem não quer se afastar muito da cidade e pretende só fazer um bate e volta em algum local próximo. Optamos por não entrar no castelo, mas tiramos algumas fotos bonitas do alto do morro onde ele fica e do lado de fora, claro.

  • Falls of Dochart: Uma das nossas descobertas no caminho. Vimos a plaquinha indicando e fomos atrás. Adoramos o lugar. Fica bem na entrada de uma cidadezinha fofa, tem aquela paisagem de cinema com uma montanha nevada no fundo e é uma gracinha. Valeu a paradinha rápida para tirar fotos bem lindas.

  • Ben Nevis: É uma das montanhas mais famosas da Escócia (se não for A mais famosa) e o ponto mais alto do Reino Unido. Além de ser uma local lindo, é uma região muito explorada por alpinistas, trakkers e aventureiros que gostam de fazer caminhadas. É um ótimo ponto para observar alguns animais também. Foi nessa região que vimos alces, veadinhos e muitos coelhos.
  • Spinbridge: Não pense que é uma ponte no meio do caminho. Spinbridge é uma cidadezinha que fica super bem posicionada para quem quiser fotografar o Ben Nevis (ou fazer base para fazer os trekkings e esquiar no inverno). É lá que fica o Commando Memorial, que tem um mirante que vai te proporcionar lindas fotos da montanha. #ficaadica
  • Bridge of Oich: Uma ponte que aparece em muuuuitos sites de dicas da Escócia. Especialmente achei ela bem fraquinha, mas se você quiser dar uma parada rápida para conhecer, ela fica coladinha na estrada. Não vai ser difícil de identificar.

  • Fort Williams: É a segunda maior cidade das terras altas escocesas. Não paramos na cidade, mas pode ser uma parada interessante para quem estiver fazendo a viagem com mais tempo e calma. A 30 minutos dali fica o Castelo Walker, que me pareceu bem bonito (e fotogênico, claro!).
  • Castelo de Urquhart: Um dos castelos que mais gostei de visitar. Na verdade, hoje, só existem as ruínas do castelo, que fica na beirinha do Lago Ness. Vale muito a pena entrar para conhecer. Além de fotos lindas, você chega a toca a água do lago, conhece a história super diferente desse castelo e entende o porque de só ver as ruínas dele hoje.

  • Lago Ness: Consegui aproveitar muito a vista do lago, pois o hotel ficava bem na margem dele e no dia que visitei o Castelo de Urquhart chegamos a ir na beirinha. Mas pra quem é curioso e quer saber mais sobre o lago, suas histórias e lendas e claro, entender tudo sobre o famoso monstro, o que não faltam são opções por lá. No caminho entre o castelo e Inverness você vai passar pelo centro de visitação do Lago Ness. Lá, você pode ver o museu e saber mais sobre o lago mais famoso do mundo. Se preferir, existem vários passeios de barco em que é possível navegar pelo lago.

  • Inverness: A capital das terras altas escocesas não poderia ficar de fora do nosso roteiro. Como contei, nos hospedamos em um hotelzinho mais afastado do centro, mas isso não nos impediu de conhecer um pouquinho a cidade. Por lá, além da tradicional catedral que fica na beira do Rio, você vai encontrar também o Castelo de Inverness. Quando chegamos para visitar já estava fechado, mas me pareceu muito simpático. A cidade não é grande, portanto, não espere mil e um atrativos. O Caledonian Canal também fica por lá e é uma gracinha. Por último, recomendo o museu da cidade para quem realmente quer saber mais sobre a região.

  • Destilaria Tomatin: Aproveitamos que tínhamos tempo na região e fomos conhecer uma destilaria de whisky. A Tomatin era a que ficava mais perto de Inverness (mais ou menos 30 minutos do centro) e já tinham nos falado que os whiskys de lá eram gostosos. Então, juntamo o útil ao agradável e fomos conhecer todo o processo de fabricação dos famosos whiskys escoceses.

  • Skye: Eu pouco conheci Skye, mas sou capaz de fazer um discurso de horas falando para você abrir mão de outras coisas na sua viagem para incluir Skye no seu roteiro. Infelizmente tive pouco tempo para ir até lá e me arrependo muito por isso. Vou voltar a Escócia e 99% da minha vontade de fazer isso é por Skye. A “ilha” é um dos lugares mais lindos que eu vi por lá, por isso, tenho certeza de que você não vai se arrepender de visitar. Organize-se para dormir pelo menos uma noite lá, assim você conseguirá ir até o final do território da ilha, ver as falésias (Neist Point Lighthouse), mais castelos lindos (Duvengon Castle), lagos e mais lagos misturados a lindas paisagens.
  • Eilean Donan Castle: Sem sombra de dúvidas foi o castelo mais lindo que eu vi. Entendam, ele não é lindo por dentro, inclusive, nem recomendo a visita por dentro dele, mas por fora ele é de cair o queixo. Tudo é lindo. Ele é fotogênico, está bem posicionado no lago, tem um ponte daquelas de filme e orna com a paisagem. Não deixem de visitá-lo. Ele fica na entrada de Skye, um pouco fora de mão pra quem vai a Inverness apenas, mas sem dúvidas vale a pena.

Onde comer?

Não tenho muitas dicas sobre esse assunto na região, pois como contei para vocês optei por jantar as duas noites que passei por lá no hotel, pois a comida era maravilhosa. Inclusive, taí uma coisa que eu recomendo bastante. Se vocês tiverem a oportunidade de comer lá, não percam, o restaurante é realmente uma delícia. Façam reserva e aproveitem. Ah! Melhor ainda, vejam se eles servem almoço. Comer ali olhando pro lago é ainda mais bonito.

No entanto, antes de ir recebi e pesquisei algumas indicações de lugares bacanas para comer por lá e vou repassar pra vocês: The Mustarde Seed, The Joy of Taste, Culloden House e RocPool.

Compras

Bom, pra ser beeeeem honesta, a Escócia está longe de ser o melhor lugar do mundo para compras. Mas Inverness por ser uma “cidade grande” tem lojas como todas as outras. Por lá encontrei uma Poundland (aquele em que qualquer coisa custa 1 pound), shopping com as lojas fast fashion que a gente já conhece e algumas lojas de venda de whisky.

Inclusive a minha maior recomendação é que vocês comprem whisky nessa região. Os preços são bons e a variedade é enorme. Compramos os nossos na destilaria Tomatin, que visitamos, pois tinha o preço melhor que o das lojas que vimos.

Para souvenirs da região, além das lojinhas típicas do centro de Inverness, você pode procurar itens bacaninhas e diferentes no Centro de Informações do Lago Ness. Lá tem imãs fofos, pelúcias do monstrinhos e até pijaminhas infantis temáticos. Uma graça!

Acho que é isso, consegui resumir um pouco de como foram meus dias pelas Highlands escocesas.

Destinos, Edimburgo, Escócia

Edimburgo | Escócia

24 abr 2017

edimburgo dicas escócia coisas que amamos Mais uma país na minha lista de países visitados… Eeeee! A Escócia foi um dos lugares que mais queríamos conhecer. Foram dias e dias planejando, pensando no roteiro, no que iríamos fazer, os lugares que queríamos visitar… Edimburgo foi nossa primeira parada e não poderia ter deixado melhor impressão.

A cidade é uma gracinha, cheia de atrações fofas, bons restaurantes, muitas lojas e aquele turismo alcóolico que a gente ama (mesmo grávida, adorei!). Uma bela mistura de cidade grande com pequena cidade do interior da Europa. Amo isso!

A cidade

Edimburgo é a capital da Escócia, no Reino Unido, com poderes próprios, situada na margem sul do estuário do rio Forth (Firth of Forth). É a capital escocesa desde 1492, sendo sede do parlamento escocês desde 1999. Segundo o census do ano 2011, a cidade conta com 495 360 habitantes, sendo a segunda cidade mais populosa da Escócia, depois de Glasgow, e a sétima mais populosa cidade do Reino Unido.

Edimburgo é também uma das 32 Áreas de Conselho da Escócia, subdivisão administrativa similar aos estados brasileiros, desde 1996 quando este tipo de subdivisão foi atribuída para substituir os distritos e regiões que existiam desde 1975.

A cidade é dominada pelo Castelo de Edimburgo construído sobre uma rocha de origem vulcânica. Após a unificação do parlamento da Escócia com o da Inglaterra, Edimburgo perdeu sua importância política mas permaneceu um importante centro econômico e cultural. A cidade é mundialmente conhecida pelo Festival de Edimburgo que acontece durante três semanas no mês de agosto. A cidade ainda possui uma das mais prestigiadas universidades da Europa e do mundo, a Universidade de Edimburgo, pioneira na informática e gerenciamentos. Fonte: Wikipedia.edimburgo dicas escócia coisas que amamos

Como chegar

Chegar em Edimburgo é bem fácil, afinal, a cidade é a capital da Escócia então o que não faltam são boas opções de transporte para ir e vir. Infelizmente não há vôos diretos do Brasil para lá, mas você pode pegar vôos de companhias como Alitália, KLM, Ibéria, Air France… As lowcost também voam pra lá.

A cidade também tem uma malha ferroviária incrível e de trem você chega lá super rápido saindo de diversas cidades da Inglaterra, Paris e do interior da Escócia também. A RailEurope e a virgin trains são algumas das empresas de trem que levam até Edimburgo.

Se estiver de carro, como nós estávamos não se preocupe. As estradas para chegar até Edimburgo são ótimas e super bem sinalizadas. Como contei, alugamos um carro na RentCars com GPS e fomos dirigindo. Bem tranquilo. Quem quiser saber mais sobre como é dirigir na Inglaterra (na mão inglesa), clique aqui.

Como se locomover por lá

Ande, ande, ande e ande. A cidade é ótima para ser explorada a pé. São muitas ruelas, prédios históricos, bares e pubs, lojinhas, monumentos… muita coisa a ser descoberta. Portanto, se você foi de carro, estacione em algum lugar e caminhe.

Se precisar pegar algum tipo de transporte, peça um táxi/uber. Eles não são baratos mas funcionam bem por lá. O transporte público também é ótimo, mas é um pouco mais restrito e não são todos os meios que chegam na parte alta da cidade, por exemplo.

Onde ficar

Como vocês já estão carecas de saber, sou uma louca por localização quando o assunto é hospedagem em cidades em que você pode/consegue turistar a pé. Sempre achei que andando você conhece a cidade muito melhor, então, sou muito a favor de ficar hospedada em um local de fácil acesso e pertinho de tudo. Dessa vez não foi diferente.

edimburgo dicas escócia coisas que amamos edimburgo dicas escócia coisas que amamos Escolhemos ficar no The Scotsman Hotel, que fica hiper bem localizado, pertinho de tudo. O hotel tem uma história muito bacana, ele já foi a sede do jornal The Scotsman, um dos mais famosos da Escócia. Hoje é um hotel de 4 estrelas, confortável e luxuoso, com vista para o Castelo de Edimburgo e sobre a Estação de Waverley (ou seja, se você chegar de trem, mal vai precisar andar para chegar até o hotel!). Gostei muito do hotel. Achei o quarto e o banheiro bem amplos, o atendimento foi ótimo em toda a nossa estada e o café da manhã, um dos melhores que tivemos na viagem.

edimburgo dicas escócia coisas que amamos edimburgo dicas escócia coisas que amamos Fotos dos hotéis: Booking.com

O que eu percebi foi que ficar hospedado perto da High Street/Royal Mile é uma ótima pedida exatamente porque ali você está pertinho de tudo. Minha outras opções eram o Radisson Blu, que infelizmente estava lotado quando eu fiz minhas reservas e o Hilton Edimburgh Carlton. Todos ficam bem próximos uns dos outros.

Uma opção mais em conta que também fica super bem localizada é o Ibis Centre Royal Mile. Fica a dica para quem vai passar pouco tempo ou quer gastar menos na hora de se hospedar.

O que fazer/Quanto tempo ficar

Acho que passar 2 dias inteiros são suficientes para você curtir a cidade, conhecer os principais pontos turísticos e passear, principalmente, pela parte antiga de lá. Foi exatamente o tempo que eu fiquei e não senti necessidade de prolongar esse período.

  • Castelo de Edimburgo: É um dos principais pontos da cidade, se não for o principal. Ele fica no alto da High Street, que é também o alto de um morro. Um ponto estratégico para um castelo/fortaleza. Lá dentro você encontra outras grandes atrações como o Palácio Real e o Scottish National Memorial. A entrada custa £16.50 para adultos e pode ser comprada lá mesmo, na hora. Minha única dica aqui é: não deixe para ir no castelo na última hora. Tentei 3x entrar e não consegui por conta do horário e do mal tempo. O vento e a chuva fizeram com que o castelo fosse fechado 12h do dia que eu ia visitá-lo.

edimburgo dicas escócia coisas que amamos edimburgo dicas escócia coisas que amamos

  • Leith: a região portuária de Edimburgo que de decadente passou a “cool”. Ela fica fora dao babafá turistico então vale para quem quer fugir um pouco, conhecer uma nova área e ver uma Edimburgo diferente. É por lá que fica também o Royal Yatch Britannia, barco da família real por muitos anos e que hoje, ancorado, funciona como museu.
  • Scotch Whisky Experience: Uma das coisas que eu mais gostei de fazer em Edimburgo mesmo sem poder beber. É uma mistura de brinquedo da Disney com visita a destilaria. Muito interessante. Fiz o tour mais básico, que é o Silver (custa £14.50 por pessoa) e achei que atendeu bastante as minhas necessidades de apenas saber um pouco mais sobre whisky. O tour contempla um passeio de barril de whisky (sim, isso mesmo!) + uma aulinha sobre a produção de whisky escocês + degustação (com copinho de brinde). Nesse passeio você conhece também a maior coleção de whiskies do mundo, que por acaso pertence a um brasileiro. Muito legal!

edimburgo dicas escócia coisas que amamos

  • Royal Mile: A Royal Mile é a rua mais famosa da cidade. Começa no Castelo de Edimburgo e vai passando por diversos pontos turísticos famosos.  Para quem está de apenas de passagem, a Royal Mile é o lugar mais recomendado para conhecer, pois é o coração da cidade e passeando por ali você se dá conta de que está mesmo em Edimburgo. Algumas das atrações da Royal Mile incluem o Scotch Whisky Experience, Writer’s Museum, Catedral de St. Giles e a Thistle Chapel…
  • Parlamento Escocês: Fica na ponta oposta ao Castelo de Edimburgo ainda na Royal Mile. Pode ser visitado pelo público em horários variados dependendo do dia. É possível ver a sala onde os ministros questionam o Primeiro Ministro e também fazer um tour guiado pelo prédio de projeto arquitetônico moderno.
  • Princess Street: Vale passear por lá, fazer compras e admirar a imponente Scott Monument e terá uma linda vista do castelo e dos jardins que “cortam” a cidade.

edimburgo dicas escócia coisas que amamos

  • Camera Obscura & World of Illusions: Um prédio com 6 andares super divertidos e cheios de ilusão de ótica. Custa £12.50 por adulto e o ingresso pode ser comprado na hora.
  • Grassmarket: uma região super viva, pertinho da Royal Mile e do Castelo, cheia de lojas, bares, restaurantes e gente nas ruas. Aos sábados, das 10h às 17h, acontece um mercado ao ar livre bem interessante.
  • Carlton Hill: Um outro morro que fica bem no centro de Edimburgo. É um lindo parque ótimo para fotografar a cidade do alto. Se estiver um dia de limpo e bonito vale ir no horário do pôr do sol.

edimburgo dicas escócia coisas que amamos edimburgo dicas escócia coisas que amamos

Onde comer

Passeamos muito pela cidade e tivemos a oportunidade de experimentar vários bares e restaurantes, mas alguns chamaram a nossa atenção. No entorno do Castelo, High Street e Royal Mile existem várias opções interessantes de restaurantes. Mas se você quiser fugir um pouco dos turistas, a George Street é uma boa pedida.

The Witchery by the Castle: o restaurante que mais gostamos. É bem pertinho do castelo, colado no Whisky Experience. A comida é deliciosa e o lugar é muito diferente. Se quiser comer por lá reserve com antecedência, mesmo se for almoçar. O local é super disputado e conseguir uma mesa em cima da hora é missão quase impossível.

Angels with Bagpipes: Outro restaurante em que comemos muito bem. O local é mais moderninho e a comida é cara, mas ainda assim vale a pena pois é tudo muito gostoso. Assim como o The Wichery fica na High Street.

Gusto: Esse foi muito recomendado pelos funcionários do nosso hotel. Gostamos do local, do cardápio e do ambiente, mas no dia que fomos (uma segunda feira eu acho) não tinha nem uma pessoa comendo por lá. Acabamos desistindo de ficar. Ele fica na George Street.

Newsroom: Entramos lá para tomar uns drinks. É um restaurante/bar bem animadinho, com DJ e gente jovem. Boa pedida para quem quer dar uma badaladinha no final de semana.

The Conan Doyle e Deacons Brodie Tavern: Dois pubs que conhecemos meio sem querer. Chegamos em Edimburgo no dia da final do campeonato de rugby, um dos esportes mais aclamados no país. Então, aproveitamos para conhecer alguns pubs e assistir aos jogos por lá. Esses estavam bem animados. O Brodie em especial estava lotado em todas as vezes que passamos por ele.

edimburgo dicas escócia coisas que amamos E assim terminam minhas dicas de Edimburgo. Espero que vocês tenham gostado e que tenham ficado com água na boca para conhecer esse país e essa cidade que é uma delicia. Assumo que foi um ótimo começo para a Escócia. Sai de lá querendo conhecer mais, querendo voltar e doida para explorar ainda mais esse país tão interessante

Destinos, Dicas, planejamento e outros, Escócia, Inglaterra, Organizando e planejando

Viajando de carro pelo Reino Unido

20 mar 2017

Vocês que acompanharam essa minha última viagem de férias perceberam que fizemos a Inglaterra e a Escócia de carro. Muita gente nos questionou por conta dessa decisão, mas sem dúvidas acho que foi super acertada e vou explicar o porque.

Saímos da Islândia para Londres e lá não precisamos de carro para turistar. Então, reservamos o carro no dia de ir embora, fazendo a retirada no aeroporto Heathrow. Ficamos 10 dias com o carro e percorremos o interior da Inglaterra e a Escócia. E vou contar os detalhes aqui pra vocês…

Roteiro

Essa foi uma das primeiras coisas que a gente definiu antes de começar a pensar em alugar ou não o carro. Saber aonde você vai, conhecer as estradas, saber a respeito das condições climáticas e etc é bem importante na hora de tomar a decisão final do carro.

Resolvemos fazer Inglaterra e Escócia, no inverno, ou seja, com muita possibilidade de neve, e passando pelas Highlands, que são “os alpes” escoceses e indo a Skye, a “ilha” vizinha a Inverness. Tínhamos que ter um carro que desse conta do recado. Nosso roteiro ficou assim:

Dia 1: Londres – Winchester
Dia 2: Winchester – Stonehenge – Bath
Dia 3: Bath
Dia 4: Bath – York
Dia 5: York
Dia 6: York – Edimburgo
Dia 7: Edimburgo
Dia 8: Edimburgo – Inverness
Dia 9: Inverness
Dia 10: Inverness – Skye – Glasgow

Roteiro traçado, foi fácil definir o modelo do carro, os horários de retirada e devolução e qualquer outra coisa que a gente pudesse querer garantir na reserva.

Onde alugar?

Bom, costumo alugar em locadora conhecidas para evitar transtornos. Dessa vez não foi diferente. Aluguei pela RentCars, que eu sempre recomendo aqui, é a minha escolha 100% das vezes e eu super confio.

Aluguei o carro com uns 15 dias de antecedência para garantir um bom preço e conseguir o carro que eu queria. Explico: como por lá se dirige na mão inglesa, queríamos um carro que fosse automático para que a nossa experiência dirigindo na “contra mão” fosse mais confortável. Um carro grande era importante também, afinal, estávamos com malas grandes e queríamos garantir que tudo ia caber no carro.

Seguro

O nosso cartão de crédito nos dá seguro de carro, caso a gente queira. Em uma situação normal, talvez utilizássemos só esse, mas dirigindo no Reino Unido achamos melhor contratar um seguro da locadora para garantir que se alguma coisa acontecesse não teríamos problema.

Contratamos um seguro na hora da retirada do carro e tudo ótimo. Custou £13/dia, que não é a coisa mais barata do mundo, mas nos dava o conforto de saber que tanto o nosso carro, quanto com o carro de terceiros estavam segurados em caso de algum tipo de acidente. Seja grande ou pequeno.

GPS ou Google Maps?

Contratamos também o GPS para garantir que os caminhos seriam acertados. Fizemos isso quando reservamos o carro pelo site. Isso é uma dica importante. Muitas locadoras não tem o mesmo número de GPS que elas tem de carro, por isso muita gente acaba ficando sem. Então, é sempre bom você já garantir o seu, caso queira, no ato da reserva.

Nós estávamos com chip de internet e tínhamos acesso ao Google Maps, mas nos guiamos 95% do tempo com o GPS do carro e foi super tranquilo.

Dirigir na mão inglesa

Bom, não fui eu quem dirigiu, foi o Alexandre e acho que ele tirou de letra. Claro que no início é estranho, você fica meio tenso, ainda se preocupa com as medidas do carro, fica mais atento as laterais… mas no geral, acho que foi bem tranquilo.

O Alexandre já tinha dirigido antes na mão inglesa, mas não acho que isso tenha feito muita diferença. Realmente o que ajuda é você ir com calma até pegar o jeito. Atenção especial nas rotatórias e na pista de quem vai mais rápido e devagar.

Estacionamento

Em quase todas as cidades que paramos tínhamos estacionamento incluído no hotel ou algum esquema de estacionamento público perto. Essa foi uma outra preocupação na hora de fazer as reservas.

Estacionar o carro por lá é bem carinho, portanto, tente conseguir hotéis com estacionamento gratuito ou com algum lugar próximo em que você tenha noção do preço que vai pagar para parar o seu carro. Lembre-se que estacionamento de rua lá é pago e muita vezes você não pode passar de 2h parado no mesmo lugar, ou seja, tem que procurar um estacionamento mesmo para o carro passar o dia e a noite parado.

As estradas

Em geral as estradas são ótimas e super bem sinalizadas, principalmente na Inglaterra. Nesse roteiro que a gente fez, pegamos muitas estradas grandes e movimentadas. Bem tranquilo.

Na Escócia as principais estradas também são muito boas, porém, as menores com as estradas próximas aos lagos, por exemplo, são pequenininhas e apertadinhas. Nada que seja problemático, mas dá um nervosinho dirigir na “contramão” em uma mini estrada de mão dupla. A dica aqui é reduzir a velocidade (ou até parar o carro) e ir para

E se bater…

Pois é, aconteceu com a gente. Na verdade, não batemos. Bateram na gente. Estávamos estacionados em uma lojinha na Escócia quando uma pessoa deu ré e amassou um pouquinho a traseira do nosso carro.

Tínhamos os papéis da reserva em mãos e lá tinha um telefone para contactar em caso de batida. A pessoa que bateu também estava com o carro alugado e também tinha seguro completo que cobria terceiros, ou seja, na teoria, estava tudo certo.

O nosso carro e o carro que bateu na gente um pouco depois do “acidente”

Ligamos para o número que a locadora indicou em caso de acidentes e passamos todas as informações e dados da pessoa que bateu para eles. Com aquele seguro que fizemos na hora de retirar o carro, o máximo que nos aconteceria era ter que pagar £100 para o caso de algum acidente. Entenda ai qualquer tipo de acidente. Seja pequeno, médio ou grande. Seja um arranhão ou perda total.

Até o momento não cobraram nada em nosso cartão, então, estamos acreditando que o seguro do cara que bateu na gente cobriu tudo. Por isso é tão importante ter seguro. Pelo que vimos na hora de devolver o carro, um amassadinho daqueles que fizeram no nosso carro, podia custar até £1500. Socorro! Santo seguro.

Mas afinal, vale a pena?

Pessoalmente achei que foi a melhor decisão que tomamos. Além de você ficar livre para ir e vir quando quiser, você pode ir parando na estrada, descobrindo cidadezinhas, tirando fotos, conhecendo novos pontos e até mudando de ideia.

Foi ótimo poder fazer tudo no nosso tempo, com calma ou com pressa, nos nossos horários, parando onde queríamos… Dirigir na mão inglesa foi um desafio no início, mas com o tempo acostuma. Se você não tem problemas com direção fora do seu ambiente de costume, não pense duas vezes e alugue um carro. Certamente vale muito a pena!

Dicas e atenção:

  • Se o seu roteiro, assim como o meu, começar em Londres ou em alguma outra grande cidade, uma boa dica é retirar o carro no aeroporto de Heathrow. Como ele fica “fora da cidade” você não pega o trânsito urbano logo no seu primeiro momento dirigindo na mão inglesa.
  • Carros automáticos ajudam muito. Passar a marcha com a mão esquerda não deve ser fácil.
  • Fique atento aos radares e controles de velocidade das estradas se não quiser ser multado. O GPS apita toda vez que você está acima do limite permitido e mostra constantemente a velocidade permitida naquele trecho da estrada.
  • Contrate o seguro completo. Custe o que custar. Não pense duas vezes.
  • Fique atento ao estacionar na rua. Na Europa o estacionamento na rua raramente é gratuito, portanto, procure sempre a máquina em que você pode pagar por ter parado o seu carro ali e não esqueça de deixar o ticket/comprovante em um local bem visível no carro.